skip to main | skip to sidebar

O EPITÁFIO


Elder Ferreira

Música e Caio Fernando Abreu

Não chega a ser novidade que, desde que apresentado ao Caio F., não larguei os livros do escritor. Por causa da sua literatura intensa que conversa com diferentes gerações, vez ou outra tento convencer outras pessoas a lerem os seus livros (hoje mesmo tentei convencer um americano a conhecer o Caio, mas empaquei quando encontrei só Onde Andará Dulce Veiga? em inglês na Amazon). Enfim, não basta gostar, tem que obrigar os amigos a gostarem também. 

Nas noites mais frias, quando preciso de uma palavra amiga, um ombro irmão, abro os livros do Caio em busca de um consolo (pois Caio é livro de cabeceira sim, que nem Hilda Hilst). Então, antes de dormir, às vezes pego um Morangos Mofados e abro no versículo Aqueles dois, ou então busco por O Ovo Apunhalado e leio com calma o versículo Para uma avenca partindo (aviso: este conto é contra-indicado em caso de suspeita de sofrência).

Fato é que, nesse vai e vem de Caio, sempre me deparo com os seus gostos musicais no meio dos seus textos. Em Morangos Mofados, por exemplo, lá no início do conto Os Sobreviventes, Caio deixa bem claro: "Para ler ao som de Ângela Ro-Ro". Eu, que sou meio anos dois mil, coloco, portanto, Gota de Sangue da Ângela e tento entrar na mesma vibe do Caio. O conto termina e Ângela Ro-Ro continua lá tocando.

"Por trás da madeira, misturada ao piano e à voz rouca de Ângela, nem que eu rastejasse até o Leblon, consigo ouvi-la repetindo e repetindo que tudo vai bem, tudo continua bem, tudo muito bem, tudo bem."

É inegável a conexão entre Caio e música e, por esse motivo, decidi criar uma playlist com as "músicas de Caio" logo após ter lido Para sempre teu, Caio F. da jornalista Paula Dip. O livro em questão é uma biografia do escritor e conta com conversas, memórias e cartas que eu, enquanto lia todas com atenção, ia pegando as referências musicais.

"Berlim 01.07.93 (cartão)
Adriana C.
Minha sempre deusa, continuo andando pelo mundo, chorando ao telefone, prestando muita atenção, divertindo gente, a fome dos meninos da Yogoslávia nas ruas ricas da West-Berlim dói tanto ou mais quanto os nigrinhos do Rio, há dez meses acordo e não tenho ninguém do lado - os meus amigos, cadê? - Vou/irei à Tchecoslováquia, talvez Hungria, Jakarta, mas perdi alguma coisa no Brasil, ¨à tarde Maria dorme¨, tenho medo, matam turcos e a estrada é enorme, mas tua voz e tua música me aconchegam entre Paris/Amsterdam/Berlim/Praga/London/ tudo é muito igual e belos os alemãezinhos ao sol do verão fugaz deles.Te mando retalhos de amor.
Caio F."

No final, criei a playlist (linda de deus que me leva direto aos anos dos exageros que não vivi) chamada Para sempre teu, Caio F. no Spotify. As referências musicais nas cartas de Caio são infinitas e por isso a playlist tem mais de quarenta músicas, todas tiradas direto de trechos de cartas ou de comentários de amigos do Caio. Portanto, deem o play, fechem os olhos e viajem para aquela época onde a internet era só um rádio na sala de casa.

"Com requintes de autopiedade, limpei devagarinho com feltro um disco da Elis, deitei no chão e ouvi umas cem vezes 'Se eu quiser falar com Deus'".


Caio e Elis Regina.

"Posso não saber nada do coração das gentes, mas tenho a impressão de que, de tudo, o pior é quando entra a segunda parte da letra de 'Atrás da porta', ali no quando 'dei pra maldizer o nosso lar pra sujar teu nome, te humilhar'. Chico Buarque é ótimo para essas coisas."

"Acordei cedinho, fiquei comendo maçãs e ouvindo Caetano cantar 'Trem das Cores' para dar o tom do dia. O tom veio, colorido."

Caio e Cazuza.

5 comentários:

  1. PESSOAS EFICIENTES: GOSTO ASSIM.
    TCHAU.

    ResponderExcluir
  2. Parabens, Elder! Pelo texto e pela playlist (e por gostar de Caio, claro). Escutarei! Sucesso! Beijo.

    ResponderExcluir
  3. Que beleza de playlist! Adoro Caio F. Abreu e também me emociono sempre que o leio.

    ResponderExcluir
  4. meu filho, esteja certo de que na minha próxima fossa, ouvirei essa playlist! adoro ouvir música assim quando tô triste, me sinto no meu clipe.
    parabéns pelo texto! não li nada do caio ainda, exceto por alguns trechos/frases que eu acho por aí, na internet. tenho muita vontade de ler morangos mofados 1) pelo nome e 2) por causa desse texto.

    www.pe-dri-nha.blogspot.com

    ResponderExcluir