skip to main | skip to sidebar

O EPITÁFIO


Elder Ferreira

Cartão postal do paraíso


Nadava sem jeito na falta de espaço e descansava mesmo sem cansaço algum. Era assim, estranho no início, confortável em seguida. No dicionário, depois, descobri que paraíso definia melhor a úmida atmosfera. Mas o nome era diferente. Chamavam-lhe ventre, diziam sempre, e o líquido em que mergulhava, amniótico.  No invólucro protetor, perto do quinto mês, minha audição já processava asneira: um falatório repetido sobre gente que eu não conhecia. Era fofoca, fui descobrir anos mais tarde, usada quando a vida dos outros é mais atraente que a nossa.

Um dia, sem quê nem para quê, fui cuspido para fora. Expulso do paraíso e enxotado do meu, até então, sossegado éden. Encravado no aconchego e vivendo cada dia por viver, vomitaram-me como se existir fosse pecado. Uma barbaridade, uma claridade forte e umas mãos pesadas em mim. O doutor, enquanto agarrava-me pelos pés, sorria com dentes grandes. Tão feio que não deu outra: chorei logo no instante em que o vi.

Conheci tudo quanto era gente e chorava em tudo quanto era ouvido. No futuro, quando a língua gesticulava, batizei a dona de um desses ouvidos de mãe. Criatura atenta a mulher, cuidava de tudo. Logo eu pensava e ela adivinhava meu querer. Uma formosura de pessoa, não durou muito e assim, com tanto chamego, me apaixonei. Um amor à primeira experiência de vida.

Fui tomando corpo, as pernas crescendo, os dentes caindo e, quando dei por mim, já tinham roubado minha infância. O amor de minha mãe já não era suficiente, uma urgência no meu peito crescia, um desejo queimava. Mesmo não sabendo do que se tratava, apenas sabia que nunca estivera ali. Era como dar falta de alguém que não existia, sentir saudade de algo que nunca se teve.

Eu crescia cada vez mais enquanto um calor pulsava cada dia mais intenso, confundindo tudo e semeando estranhos pensamentos. Quando conhecendo a mim, descobria sensações que ninguém mais parecia ser capaz de me oferecer. Uma cócega agradável e um conforto que me saciava por completo. Expulso do paraíso, fui encontrar alívio nos braços de minha mãe. Quando nem mais o paraíso de seus braços me consolavam, encontrei o refrigério em meus próprios toques e devaneios.

Quando a adolescência passou e a puberdade me deixou suas marcas, foi então que pude ser capaz de sentir. Uma sensação específica proporcionada por uma pessoa muito especial, um brilho intenso que iluminava no mesmo reflexo que cegava a vista, um canto que extasiava ao mesmo tempo em que ensurdecia. Foi assim, de repente, que descobri que minha maior necessidade era de amor. Amor que transpunha o sentimento e que repousava na carne. Amor de entusiasmos que incendiava o senso crítico. Amor que era um cartão postal do paraíso.

12 comentários:

  1. Oi, bem legal seu conto, se não me engano contem tempo/espaço psicológico, gosto muito de contos com essa característica, lembro dos textos de Clarice, gostei muito. Beijo.

    http://loucurasedevaneiosbyliza.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Eu termino de ler esse conto e fico simplesmente sem palavras. Tudo que me vem a cabeça é "genial", é isso que esse conto é, genial!! É de uma beleza singular a forma como o Elder brinca e faz poesia com as palavras, me fazia sorrir enquanto eu lia o texto. E o texto em si é ótimo, cativante, perfeito. Só me faz reafirmar o que eu já havia dito antes: nunca pare de escrever seus contos, Elder. Eles são dignos de um grande escritor e são um deleite para os leitores. Parabéns! =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tá. Eu nem sou o Elder e fiquei me abraçando enquanto lia o teu comentário hahahahaha

      Concordo com todas as tuas palavras, Júnior, e ainda te ajudo: Nunca pare de escrever seus contos, Elder!

      E faço eco às sua palavras: Eles são dignos de um grande escritor e são um deleite para os leitores. Parabéns!

      Excluir
  3. Ah, meu gordinho lindo! Nem se não tivesse tempo, daria um jeito de te saborear... hmmm e que gostoso!

    Mais um conto que me acalma o coração.

    Beijo!

    ResponderExcluir
  4. Inteligente, tocante e lindo. Você realmente tem uma escrita maravilhosamente mágica. Parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Todos precisamos de amor. O amor faz parte da nossa essência.

    Excelente texto.

    O mundo sob o meu olhar

    ResponderExcluir
  6. oi,
    otimo conto, muito bem escrito, parabéns!
    adorei seu blog, curti n0o facebook
    estou te seguindo, segue o meu tambem
    http://www.lostgirlygirl.com

    bjos

    ResponderExcluir
  7. Demorei a retribuir, mas tô aqui.
    Acho lindo quando as pessoas escrevem bem e têm coragem de expor seus textos. Eu não escrevo, mas se escrevesse os deixaria trancados na gaveta por vergonha. rs
    Parabéns pelo texto! ^^
    Beijinhos!
    Giulia - prazermechamolivro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Uau! Adorei o conto! tão lindo, profundo, inocente... Maravilhoso!

    Beijos,

    Marcelle
    bestherapy.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Achei o texto muito criativo. Eu gostei do vocabulário também, preciso aumentar o meu :)
    Achei legal ver um garoto postando no blog e tudo :)
    Bom, Naquele MOmento está de portas abertas caso queira ver outros contos e dar opiniao em um futuro livro;
    até,
    www.naquelemomentoeujuro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  10. Nossa,você é muito criativo.
    Totalmente diferente do que ando lendo por aí. Muito bom mesmo (:
    http://www.avidaemletras.com/

    ResponderExcluir