skip to main | skip to sidebar

O EPITÁFIO


Elder Ferreira

A Culpa é das Estrelas - John Green




Título: A Culpa é das Estrelas

Autor: John Green

Editora: Intrínseca

Ano da Edição: 2012

Nº de Páginas: 288



“Nome. Idade. Diagnóstico. Meu nome é Hazel, dizia na minha vez. Dezesseis. Tireoide, originalmente, mas com uma respeitável colônia satélite há muito tempo instalada nos pulmões”. Lançado em Julho desse ano pela Intrínsica, A Culpa é das Estrelas, do escritor norte-americano John Green, consegue cultivar humor inteligente e um romance inspirador em um solo que, à primeira vista, mostra-se pobre de esperanças e rico em resignação. O solo em particular é Indianópolis, onde vive Hazel Grace, paciente terminal que, por ideia da mãe, começa a frequentar um Grupo de Apoio buscando se livrar da aparente depressão.
“Sempre que você lê um folheto, uma página da Internet ou sei lá o que mais sobre o câncer, a depressão aparece na lista dos efeitos colaterais. Só que, na verdade, ela não é efeito colateral do câncer. É um efeito colateral de se estar morrendo.”

Durante as idas ao grupo, Hazel acaba cruzando com o jovem Augustus Waters. Dezessete anos. Osteossarcoma, um tumor maligno que costuma se propagar para os pulmões e, às vezes, para os outros órgãos. Mas o rapaz já tinha passado por tratamentos e atualmente estava em SEC (sem evidência de câncer). Gus – para os mais íntimos –, não era só câncer, no seu currículo constavam vaidade, olhos azuis, corpo bonito e um sorriso sedutor. “Na boa, vou logo dizendo: ele era um gato”.
Os dois acabam por construir uma caminho juntos, caminho cheio de carinho e bizarrices, tanto intelectuais quanto experimentais. Gus, por exemplo, anda com um cigarro nos lábios, mesmo sendo não fumante: “É uma metáfora, eles não matam se você não acender. Tipo: você coloca a coisa que mata entre os dentes, mas não dá a ela o poder de completar o serviço”. Já Hazel é obcecada pelo autor do seu livro favorito: “Era a única pessoa que eu conhecia que parecia (a) entender o que era estar morrendo e (b) não ter morrido”.



O que mais chama a atenção no livro é a maneira não mórbida com que o autor consegue dar continuidade a uma história que tinha tudo para ser mórbida, ao contrário, John Green consegue te fazer dar risinhos tímidos e até mesmo gargalhadas exageradas.

“Contei ao Augustus a versão resumida do meu milagre: diagnosticada com câncer de tireoide em estágio IV aos treze anos. (Não contei que o diagnóstico veio três meses depois da minha primeira menstruação. Tipo: Parabéns! Você já é uma mulher. Agora morra.)"

Claro que, por se tratar de um assunto tão intimamente ligado à morte, o livro desperta no leitor reflexões diversas sobre a grandeza do amor perante condições adversas, a brevidade da vida, a injustiça – ou não – do universo e as dores que nascem dos seus desígnios e, discretamente, religiosidade, vista às vezes através dos encorajamentos dos pais do Gus (palavras de auto-ajuda espalhadas pela casa), nos pais da Hazel e no grupo de apoio.

"'Oremos para que o Senhor consiga nos curar e para que possamos sentir Seu amor e Sua paz, que excedem todo o entendimento. E nos lembremos em nossos corações daqueles que um dia conhecemos, amamos e que foram para a Sua casa: Maria, Kade, Joseph, Haley, Abigail, Angelina, Taylor, Gabriel…' A lista era grande. Tem muita gente morta no mundo. E enquanto o Patrick continuava a ladainha, lendo a relação em uma folha de papel, fiquei de olhos fechados, tentando elevar os pensamentos em oração, mas a maior parte do tempo imaginava o dia em que meu nome ocuparia um lugarzinho ali, bem no fim da lista, quando ninguém mais está prestando atenção."

Qualquer um que esteja disposto a rir (e se emocionar muito), recomendo o livro. Leitura leve e muito agradável: uma tarde é o suficiente para o John Green perturbar todos os seus sentimentos. São 288 páginas que terminam no livro e continuam no leitor, vale a pena.

Nota: 5 corvos.

18 comentários:

  1. Acabei de ler a resenha no blog da Barbara, agora aqui, vcs estão me deixando louco, não sei se vou consegui esperar até o proximo PBC p/ pegar com a Lana, vou comprar logo u.u
    To muito afim de ler esse livro,
    parabens pela resenha e por me deixar com mais vontade de ler...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu até te emprestaria o meu... mas ele já tá emprestado e não sei quando vão me devolver, porque ele tá passando de mão em mão e já nem sei mais com quem ele tá.

      Excluir
  2. Eu estou acabando de ler esse livro e ele é tão pateticamente lindo!! John Green é um dos meus autores favoritos, e quando eu peguei no livro, eu já sabia que ele não iria me decepcionar.
    Green tem uma capacidade pegar coisas mais simples, as coisas cotidianas e transformá-las em algo memorável. Meu livro está todo rabiscado de tantas frases legais que eu marquei U.U. Eu só espero que a editora lance os outros livros dele aqui no Brasil.
    Parabéns pela resenha, como sempre, ela está muito legal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu espero que a editora lance os outros livros dele também... acho que vão lançar, afinal, A Culpa é das Estrelas está fazendo sucesso notável com o público.

      Excluir
  3. Eu preciso começar a seguir o ditado que diz para "não julgarmos um livro pela capa". Ao saber superficialmente sobre o que se tratava a história não me interessei muito, mas após ler a resenha, fiquei com vontade de lê-lo imediatamente (algo que eu já devia esperar). Ótima resenha Elder, e lembre-se de reservar o livro pra mim. =)

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Estou lendo esse livro! Apesar de ser um pouco triste, sem esperança, os personagens vivem uma estória tão fofa, adorando a narrativa que está perfeita, fico me perguntando como Green conseguiu descrever tão bem, a Hazel, forte, corajosa e engraçada!
    parabéns pela resenha!

    Adorei o blog!
    http://lovesbooksandcupcakes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. “Contei ao Augustus a versão resumida do meu milagre: diagnosticada com câncer de tireoide em estágio IV aos treze anos. (Não contei que o diagnóstico veio três meses depois da minha primeira menstruação. Tipo: Parabéns! Você já é uma mulher. Agora morra.)"

    Eu ri dessa parte mesmo sem ter lido o livro kkkkkkkk'. Nossa, eu adorei sua resenha, me deixou morta de vontade de ler esse livro, mas não sei quando irei poder lê-lo. Tenho certeza de que irei chorar muito rsrs. Amei o seu blog, parabéns !

    http://pelucia-corderosa.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eu tenho o livro e estou doido pra lê-lo (vou ter que passar ele na frente).
    Todo mundo fala bem dele, mas eu nunca li um livro dessse tipo e estou com grandes expectativas.
    Um grande abraço,
    Otávio
    www.shockbooks.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Oi Elder!!
    Man, estou com muita vontade de ler esse livro desde que li a resenha da biah (ela leu em inglês, ainda não tinha sido lançado aqui). Sério, por todas as resenhas que já li desse livro, por tudo o que é comentado sobre ele... eu já me sinto apaixonada por "A Culpa é das Estrelas".

    "São 288 páginas que terminam no livro e continuam no leitor" *---*

    gostei muito da sua resenha! você é muito bom com as palavras. Abraços!!

    ResponderExcluir
  8. Eu fiz uma troca e estou esperando chegar. Pelas resenhas que li, sinto que vou gostar MUITO do livro, principalmente nessas partes de humor irônico. Ansiosíssima!
    Beijinhos!
    Giulia - prazermechamolivro.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Eu adorei esse livro. Super recomendo. Uma história que era pra fazer verter lágrimas e lágrimas, mas que no fim só mostra como a vida sempre continua.

    ResponderExcluir
  10. Gostei da imagem, é bem os dois fofo

    Lindo livro alegre e triste hehe

    bjos

    ResponderExcluir
  11. Oi Elder, tudo bem?
    Achei sua resenha um tanto cheia de spoilers, mas já li o livro então não me prejudicou =/
    Também recomendo o livro, mas discordo da "leitura leve e muito agradável", John Green é muito sarcástico isso sim. Mas concordo com o "São 288 páginas que terminam no livro e continuam no leitor, vale a pena." O livro realmente continua a te perturbar após a leitura.

    Abraços,
    Nathy Miranda
    http://www.natocacomacoruja.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, talvez eu tenha esquecido de falar que o John Green é sarcástico e exageradamente ácido. Obrigado pela crítica, vou procurar tentar escrever menos spoilers nas próximas resenhas.

      Excluir
  12. Oi Elder!!

    Estou querendo ja faz um tempo ler esse livro, mas ainda nao tive a oportunidade, parece ser taao bom!

    Parabens pela resenha ;)

    bjoo

    ResponderExcluir
  13. Eu estou morrendo de vontade de ler este livro! Simplesmente amei a resenha, e após tantos comentários positivos, sei que não vou me decepcionar :D
    Abraço
    Raquel, do http://spaceindaze.blogspot.com (retribuindo a visita!!!)

    ResponderExcluir
  14. Esse livro é tão lindo *-*
    Chorei em diversas partes, gargalhei em outras tantas.
    Adorei o desenhinho, o Gus com o cigarrinho na mão, a Hazel toda simpática.

    Abraço

    http://artesanatoelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. simplesmente perfeito, virou meu livro de cabiceira de cama. em um dia li tudo, e na boa, ja li mais umas 2x.

    ResponderExcluir