skip to main | skip to sidebar

O EPITÁFIO


Elder Ferreira

Jogos Vorazes - Suzanne Collins


São sessenta segundos de espera antes que o jogo se inicie. É tempo o suficiente para observar alternativas e reavaliar algumas estratégias. Mas, dadas as circunstâncias, também é tempo o suficiente para esperar pela morte. Jogos Vorazes é o primeiro livro de uma trilogia de autoria de Suzanne Collins. O primeiro livro de um novo mundo, um mundo futurístico que carrega em seu colo uma nação chamada Panem e que outrora fora chamada de América do Norte.
O ambiente é pós-apocalíptico e se passa depois da destruição dos homens por sobre a terra, homens dominados por sentimentos gananciosos e de fúria, homens tão ruins como só a nossa espécie consegue a proeza de ser. Panem é um lugar que sobrou no meio dessa tempestade, rodeado por 12 distritos e mais um local central chamado de Capital. Capital é um centro, com pessoas esquisitas quanto indumentária e também estranhas quanto a penteados. Parecem ser amigos das cores vivas, do laranja que grita, do verde que incomoda, no geral, cores cítricas parecem estar na moda. São conhecidos por seu sotaque diferente, um tanto agudo quando comparado aos demais.
Quando me lembro da Capital, é impossível que a cidade de Nova York não me venha à cabeça, talvez o local da Capital até seja onde hoje é a cidade, talvez, se for, ainda não sei. Digo isso porque o senso comum (e a mídia, é claro) me mostram o quanto as pessoas por lá parecem ser diferentes. É como se fosse uma festa alternativa, só que ao invés de um local fechado, é ao ar livre. Mas o pensamento em Nova York se intensifica depois de uma amiga do estado de Wisconsin (que pode até ser comparado com o agricultor distrito 11) me disse que as pessoas em Nova York possuem um sotaque completamente diferente (e irritante). Depois fui pesquisar a nacionalidade da autora e descobri que ela é de Connecticut, estado que fica coladinho a New York. Não sei dizer se a inspiração para a Capital veio de NY, mas de uma forma ou de outra, é sensato não perder o foco. Vamos continuar.
Conta-se a história de que antes de 12 distritos, haviam 13. Entretanto, um dia o distrito 13 se rebelou contra a Capital, nos chamados dias escuros, mas a rebelião não se fez valer e logo o distrito 13 foi eliminado. Mas acontece que, como estratégia para evitar novos levantes, a Capital criou os Jogos Vorazes, um tipo de reality show sangrento que é transmitido para toda a nação, onde jovens se digladiam até a morte, até que haja apenas um vencedor. Os Jogos são utilizados como uma auto-afirmação da Capital sobre os 12 distritos. Eu estou aqui, eu mando, eu tenho o poder. A ferida arde quando eu quero que arda. Não se esqueçam disso.
Diferente do BBB, ninguém manda um vídeo para Capital mostrando suas habilidades e enaltecendo suas capacidades, ao contrário, a Capital que vai a cada distrito e escolhe dois tributos de cada um, um do sexo masculino e outro do sexo feminino. Esse dia é chamado Dia da Colheita, e seria quase considerado um feriado para toda a nação se a maioria das pessoas não estivesse aflita e temerosa sobre o destino e suas probabilidades. Nesse dia o nome de todos os jovens entre 12 e 18 anos estão para ser sorteados - o nome de uns mais do que o nome de outros.
Dessa maneira o livro se divide em três partes: Os Tributos, Os Jogos e O Vitorioso. Não vou introduzir nenhum personagem aqui. No entanto, recomendo que corram atrás dos livros e se virem para saber. É uma leitura agradável, em algum momento senti falta de uma poesia, de palavras líricas em excesso pra expressarem qualquer sensação que fosse (seria eu um parnasiano encubado?), mas, de qualquer forma, o livro não deixa a desejar. Na realidade, a única coisa que desejei é que tivesse menos romance e mais sangue. Não sei onde adquiri o gosto por chacina, mas adquiri.
Lembrei de Battle Royale, um mangá que segue o tema Jovens lutando até a última gota de sangue (destacando sangue com negrito, sublinhado, caixa alta e néon). Entretanto, a proposta das duas novelas são bem diferentes, enquanto Battle Royale parece assar o drama para logo em seguida degustá-lo com sangue, Jogos Vorazes surge como uma crítica a manipulação da mídia sobre o telespectador. O livro mostra que nem tudo o que a TV quer nos obrigar a acreditar é real. Destacando a manipulação excessiva que nos transforma em fantoches que abrem e fecham a boca dizendo Esplêndido, Magnífico, Mágico, Lindo. O que me faz lembrar das pessoas com mania de teoria da conspiração que vivem a dizer que Big Brother Brasil se sustenta na mesma premissa, que cada indivíduo que entra na casa já entra destinado a desempenhar um papel. Se for isso ou não, ando distante de saber. Perto mesmo, só me encontro de começar a ler Em Chamas e de pegar meu Nescau na geladeira.
Nota: 4 corvos.



9 comentários:

  1. Parabéns pela resenha.
    Lê-la foi interessante. Informativa e divertida nas horas certas... digo, bastante inteligente.

    Boa leitura de Em Chamas e uma boa degustação do Nescau hahahaha

    Aguardo a próxima resenha por aqui...

    Beijo beijo

    ResponderExcluir
  2. COMO ASSIM "MAIS SANGUE"???
    És sádico, hein. HAHA
    A resenha está ótima!
    Sou suspeita pra falar o que seja da trilogia, porque sou fã assumida.
    Então, espero que gostes dos outros livros (inclusive, o 2° é o meu favorito e desesperador), mas analisando teus argumentos, creio que vais gostar mais do 3°.
    Veremos...

    Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, bem mais sangue. Ainda mais que as partes que mais me deixaram ligado foram as partes da arena. Só que o me deixou amuado foi todo aquele romance mesmo, mas o resto tá valendo!

      Excluir
  3. Olá, primeiramente parabéns pelo blog, eu amei!!
    Gostei muito da resenha, é realmente interessante o modo como você conversa com o leitor. Também é interessante o fato que você não falou de nenhum personagem, é diferente :) Achei legal a comparação da Capital com NY, nunca havia pensado nisso, mas faz sentido.
    Ri muito na parte "seria eu um parnasiano encubado?" ahahahahahaha
    Depois dessa, me deu até vontade de tomar Nescau também, kkkkkkkkkkkk
    Espero as próximas resenhas...

    ResponderExcluir
  4. ELDEEEEER!!!
    Amei a resenha!
    adoro o jeito como vc escreve :)
    Já tem tempo que eu tô afim de ler Jogos Vorazes, posso entrar na lista de empréstimo? xD
    Nunca li o mangá de Battle Royale, mas pelo que li na resenha e pelass coisas que a Roberta falou sobre o livro no primeiro PA Book Club, dá pra ter uma ideia de como é.
    Parabéns pelo post!
    Aguardando a resenha de Em Chamas :)

    ResponderExcluir
  5. Linda resenha, Elder, parabéns! Embora eu discorde em relação as emoções do livro, também gostei. A história é boa e original, Suzanne escreve bem.
    Bjs.

    @fehluna13
    http://livrosinfinitos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Ainda não tive a oportunidade de ler, ou assistir a série jogos vorazes mas se trata de uma história bem interessante, obrigado pela dica literária! Muito boa a resenha!

    ResponderExcluir
  7. Eu ainda não li o livro,mas assim que tiver um tempinho vou ler :)

    http://variedadesdecoisasparagarotas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir